Arquivo de etiquetas: coimbra

TRANSMISSÃO EM DIRETO – MARCHAS SANJOANINAS – LOUSÃ

O Coimbra Canal vai transmitir em direto a partir da Lousã, as Marchas Sanjoaninas, no próximo domingo, dia 23 de junho, a partir das 21 horas.

O desfile das Marchas Sanjoaninas animarão as ruas, na noite de S. João, que tem ainda outro grande atrativo – os arraiais populares que se espalham por vários espaços da vila.

Pode ver em www.coimbracanal.com, no Meo Kanal

ou no facebook da Câmara Municipal da Lousã.

ArNovo – 14 de junho no Hotel Termas da Curia

Visando passar do estúdio ao palco, nasce em finais de 2018 a banda ArNovo onde o som das guitarras eléctricas e do piano, a par com a batida, procuram através da música de JRed dar suporte aos estados de alma expressos na poesia de António Arnaut.

O espectáculo “Outros Sinais”, de que a banda ArNovo ´é co-organizadora, assume como narrativa a poesia de António Arnaut.​​

As imagens associadas aos temas que integram o espectáculo potenciam as emoções, sentimentos e memórias que emanam de cada um dos poemas. 

BONIFRATES APRESENTA “O FILHO DA MÃE CONTINUA… POR AÍ”

A nova produção da Bonifrates, uma comédia baseada na trilogia «O Filho da Mãe», «O Filho da Mãe volta a atacar» e «A Vingança do Filho da Mãe», do escritor, pintor, cartoonista e humorista José Vilhena, teve a sua ante-estreia a 29 de janeiro (dia do 39.º aniversário da Bonifrates). O espectáculo estreou no dia 30, quarta-feira, pelas 21.30 horas, no Teatro-Estúdio da Bonifrates, na Casa Municipal da Cultura de Coimbra.

O espectáculo tem adaptação dramatúrgica e encenação de João Paulo Janicas, cenografia de José Tavares, figurinos de Cristina Janicas, música de Amílcar Cardoso e João Fragoso, luz de Nuno Patinho e vídeo de Miguel Godinho, contando em palco com 14 atores do elenco da cooperativa.
A produção teatral é acompanhada de atividades paralelas, um colóquio sobre o autor e uma exposição da sua obra gráfica, em fevereiro e março de 2019, numa parceria com o Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20) da Universidade de Coimbra e a Tipografia Damasceno.

Inspirado na trilogia “O Filho da Mãe”, de José Vilhena, o espectáculo narra a estória de Justino Freitas, filho (apenas à face da lei e da moral) do comerciante e cacique da pequena aldeia beirã de Covões de Baixo, desde a sua conceção e auspiciosos primeiros anos de vida, até aos píncaros do poder na capital do Império…

Ao longo de uma fulgurante, mas meticulosa, ascensão, beneficiando e usando com mestria os expedientes do compadrio, do jogo traiçoeiro e da hipocrisia, o “nosso herói” pisa, com igual desembaraço, todos os que lhe venham à mão, de modo a, desavergonhadamente, galgar os degraus do sucesso… na escola ou no seminário, na cama alheia ou no emprego, nos negócios ou na política…”

(Notas de Encenação, João Paulo Janicas)

 A reserva de bilhetes pode ser efetuada através do email

 bonifratesbilheteira@gmail.com ou pelo telefone 916 615 388.

Os preços dos bilhetes são os seguintes: NORMAL – 7 €; ESTUDANTES, SENIORES e PROTOCOLOS – 5 €; CLUBE DE AMIGOS e GRUPOS (+ 10 elementos) – 4 €.

 Espectáculo não aconselhável a menores de 14 anos, com a duração de 2h15.

Este espectáculo encontra-se ESGOTADO até 22 de fevereiro. Vimos, pois, anunciar as novas datas, durante o mês de março: 8 (sexta), 13 (quarta), 15 (sexta), 20 (quarta), 22 (sexta), 23 (sábado), 27 (quarta – Dia Mundial do Teatro) e 29 (sexta), sempre às 21h30.

APOIO: COIMBRA CANAL

E SE 16 – Metrobus, o metro que já não é comboio, mas é promessa de BUS.

O “E se…” dirige-se neste episódio aos habitantes de Coimbra e da região de Coimbra para que exijam que seja desta vez que o Metro sai do papel. Desde 1996 que se promete uma solução de mobilidade para Coimbra. Vários milhões de euros depois, recuos e avanços, com várias “soluções” estudadas vezes sem conta, e abandonadas também vezes sem conta, num processo em que se destruiu o velho comboio que existia, Coimbra não tem uma solução de mobilidade. Agora anuncia-se uma solução em formato de loja de chinês, isto é, um Metrobus. O Governo, jurando a pés juntos que não nada tem de eleitoralista, anuncia que tem 120 milhões de euros para a “obra”: 85 milhões para o BUS, 15 milhões para a Estação de Coimbra-B e 20 milhões para material circulante. Eh! lá!, dizem os mais desconfiados. Como é que um Governo que anunciou 2,7 mil milhões para modernizar a Ferrovia Nacional e só executou 160 milhões (7%), vai agora gastar 120 milhões em Coimbra? Se aplicar-mos a mesma taxa de execução estamos a falar de 8,4 milhões de euros…
O “E Se…” alerta para isso e desafia todos a exigirem ao Governo, à CCDRC e a Manuel Machado que cumpram a sua palavra e construam o metro: Eh! pá, construam o BUS, Porra!

E SE 15 – Esperamos que em 2019 seja ano de REALIZAR

Durante os anos de 2017 e 2018 andamos pela região de Coimbra e assinalamos muitas situações que precisam de atenção. Registamos que, em muitas delas, nada aconteceu, nada melhorou. Noutras, a situação até piorou. Na economia e nas empresas, Coimbra continua a marcar passo. A mentirola do aeroporto internacional passou sem consequências. O descalabro dos transportes continua: Coimbra, uma cidade universitária, vive com uma vergonha que é a sua estação de comboio. O iParque continua adiado. A cultura continua uma promessa. Um pouco por todo o lado se verifica a falta de estratégia. A vergonha que foi o processo da nova maternidade mostra que Coimbra é inconsequente. Discute, envolve-se em polémicas, mas não realiza.
Para 2019, em todas estas áreas, desejamos mais realização e mais estratégia. Pode ser?

“E se…” deseja a todos um excelente 2019.

NOITE SAUDÁVEL DAS CIDADES DO CENTRO DE PORTUGAL

Os contextos recreativos desempenham um papel importante na vida das cidades e dos jovens mas têm, em várias situações, uma ligação intrínseca com a rutura de hábitos de vida saudáveis e a associação a uma multiplicidade de fatores de risco em várias áreas (violência, abuso de álcool e/ou consumo de drogas ilícitas, sinistralidade rodoviária, etc.).
Há um conjunto de comportamentos individuais e coletivos que podem contribuir para esta situação agravar ou melhorar o bem-estar, a segurança e a qualidade dos espaços de recreação noturna. A título de exemplo, um inquérito de 2013, promovido pelo Instituto Europeu para o Estudo dos Fatores de Risco (IREFREA – Portugal), a 500 frequentadores da noite maiores de 16 anos, em Coimbra, dá evidência a esta realidade. Estes dados veem ao encontro das preocupações também evidenciadas, entre outras entidades, pelas Forças de Segurança de Coimbra assim como pela Divisão de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (DICAD) e pelo Centro de Prevenção do Tratamento do Trauma Psicológico – CHUC. Falamos de uma realidade transversal a outros municípios do nosso Pais e à Europa onde vivemos. De registar internacionalmente a multiplicidade de projetos já implementados visando a prevenção destas problemáticas.
Tendo em conta as preocupações comuns do Centro de Prevenção e Tratamento do Trauma Psicológico (CPTTP) — Centro de Responsabilidade Integrado de Psiquiatria (CRI), do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra — e do Instituto Europeu para o Estudo dos Fatores de Risco (IREFREA, Portugal), nasce em 2014 o projeto Noite Saudável da Cidade de Coimbra, que na sequência do Fórum Internacional “Noite Saudável das Cidades”, que se realizou de 4 a 6 de Maio 2016 em Coimbra, promove a “Declaração Noite Saudável das Cidades do Centro de Portugal”, documento que viria a ser subscrito em Junho do mesmo ano por dezenas de entidades, entre as quais 21 municípios da região centro do país. Investindo na prevenção da violência interpessoal, do abuso de álcool e consumo de drogas ilícitas, e na sinistralidade rodoviária, procura contribuir para
(1) eliminar/atenuar os fatores de risco associados às áreas anteriormente referenciadas,
(2) promover fatores protetores, e
(3) potenciar a resiliência comunitária.
Na implementação desta iniciativa importa registar o apoio da CCDRC, na pessoa da Prof.ª Ana Abrunhosa.
Em 2017, no âmbito da candidatura (“Centro 2020”) do Instituto Europeu para o Estudo dos Fatores de Risco (IREFREA – Portugal) surge o atual projeto “Noite Saudável das Cidades do Centro de Portugal”, cuja coordenação científica é assumida pelo Centro de Prevenção e Tratamento do Trauma Psicológico, CRI de Psiquiatria – CHUC e pelo IREFREA – Portugal.

https://www.noitesaudavel.pt/

APOIO: COIMBRA CANAL

E SE 14 – Movimento de Humor

O “E se…” foi acompanhar a apresentação do estudo científico e técnico lançado pelo MH, com a colaboração do Professor Doutor Dom Ingues da Universidade da Flórida. Nesse estudo, com demonstração técnica no local, garante-se que é possível instalar um Aeroporto Internacional no Largo da Portagem em Coimbra. O estudo foi distribuído pela população e os responsáveis pelo MH deram conta da sua atividade cívica.
Na verdade, se há alguma verdade nisto, o MH aproveitou o 5 de outubro para se dar a conhecer e lançar o número zero da revista que pretende tornar regular.
“E Se…”, com humor, estivéssemos atentos ao que se passa em Coimbra?

Fado Hilário e Alentejo Cantado

Serenata CANÇÃO, CANTE E PATRIMÓNIO

Festival Correntes de um só Rio

3 Out 2018

Convento São Francisco, Câmara Municipal de Coimbra

Produção: Associação Fado Hilário

Realização Cláudio Calhau

Som João Tavares Força da Música

Direcção Musical João Ferreira e Pedro Mestre

Músicos ALENTEJO CANTADO

Solista: Pedro Mestre FADO HILÁRIO Manuel Portugal e Diogo Mendes (Guitarras de Coimbra) João Ferreira e Pedro Ribeiro (Violas)