Arquivo de etiquetas: coimbra

Redes Sociais / Fake News – Festa Literária Folha 2019

Com Dulce Neto (Jornalista), Manuel Halpern (Jornalista), Nuno Miguel Guedes (Investigador), e moderado: César Rodrigues (Investigador)

O Parque das Artes do Hotel das Termas da Curia, promoveu de 26 a 28 de setembro a “II Festa Literária Folha 2019” e que pretendeu divulgar “autores e obras literárias” portuguesas, numa iniciativa conjunta da Câmara Municipal de Anadia com a Sociedade das Águas da Curia.

XXV edição dos Caminhos do Cinema Português – 22 a 30 de novembro

O festival Caminhos do Cinema Português afirmou-se, nas últimas edições, como o evento de referência do panorama português, sendo o único festival dedicado, na sua competição, ao cinema português em várias vertentes, desde os projectos finais de escola de cinema, passando pela animação, documentário, curta-metragem até à longa-metragem. Desde 1988 tivemos o privilégio, enquanto organização de ver e (con)viver com o melhor da produção nacional portuguesa ao longo das últimas XXIV edições, mas igualmente de acompanhar a evolução de toda a indústria cinematográfica portuguesa. Abrimos o evento aos Juniores, aos Seniores, às Escolas de Cinema, às editoras e livreiros, a toda a produção portuguesa transformando-o na verdadeira montra do cinema nacional em Portugal. Uma montra, que tem apostado em aproximar os criadores dos seus públicos, apostando na interacção em todos os níveis.

Constrangimento de ordem financeira inviabilizaram a realização da XX edição em 2013, mas dos piores e melhores momentos, fizemos registo, e com essa vontade chegamos continuamos.
Na XXII edição o festival afirmou-se também em Leiria com a Seleção Ensaios. Querendo facilitar o acesso a toda população e representar um novo caminho do cinema académico (tanto nacional como internacional), para além disso, o festival afirmou-se a um nível supralocal, permitindo uma afirmação regional do cinema português na zona centro. Tivemos como salas de acolhimento os grandes espaços existentes na cidade de Leiria, como o Teatro Miguel Franco, Teatro José Lúcio da Silva, e ainda o Museu da Imagem em Movimento.
Chegamos em 2018 à XXIV edição, com esperança, de que o presente momento que vivemos, seja de esperança, que marque a pluralidade cultural na cidade de Coimbra, mas que a mesma seja também o inicio da construção de pontes com outras cidades da região centro.

100 anos do nascimento de Jorge de Sena e Sophia de Mello Breyner Andersen

M89 – recital de poemas para muros e galáxias distantes é um trabalho performativo com base em textos poéticos e Jorge de Sena, Sophia de Mello Breyner Andersen e José Saramago. Em resposta ao desafio do 2.º Festival Literário “Palavras de Fogo”, M89 evoca simbolicamente o tema dos “muros”, reportando-se à queda do muro de Berlim (1989), aos muros com que, hoje e sempre, convivemos, ao muro invisível que separa/liga,  no teatro, o palco e a plateia. M89 também aproveita a divulgação recente do buraco negro Messier 87 para colocar o tema da crise climática. Os muros habitam-nos. e nós habitamos muros. Há ainda muros que nos cercam. Mas por vezes trepamos muros para ser mais longe.Também muito do teatro se faz entre muros. Como se os muros não existissem. Em busca de galáxias distantes somos arrastados pela escuridão de um buraco negro supermaciço… Neste recital dizem-se poemas de Jorge de Sena, Sophia de Mello Breyner Andersen e José Saramago. Dizem-se também as palavras dos atores. Com o Muro de Berlim no horizonte, rastreiam-se outros muros, fala-se deles, trepam-se, saltam-se, derrubam-se… para neles mergulhar ainda.

Sinais de Fôlego, nas palavras de Jorge de Sena

fôlego. s. m. 1 ato de inspirar e expirar; respiração; 2 capacidade de manter o ar nos pulmões; 3 ar que se respira; 4 acto de soprar; bafo; hálito; 5 período durante o qual se recuperam forças perdidas; descanso; folga; 6 [fig.] alento, ânimo – de fôlego de grande valor; muito importante; muito trabalhoso; de um fôlego de uma só vez; sem parar; ter sete fôlegos ter grande resistência; tomar fôlego parar para descansar…

O recital Sinais de Fôlego, nas palavras de Jorge de Sena segue as pistas deixadas ao longo dos trilhos da Viagem Literária Jorge de Sena, no âmbito das comemorações do centenário do escritor e integrada na 11.ª edição do Festival das Artes, decorreu a 20 de julho, entre Coimbra e a Figueira da Foz. Nessa senda, este recital revisita, nas palavras próprias do autor (desde o romance Sinais de Fogo a vária da sua poesia), o caminho do seu achamento como poeta – inspirando e expirando o bafo e o hálito, o alento e a folga, o trabalho e a resistência da sua respiração criativa.

A reserva de bilhetes pode ser efetuada através do email bonifratesbilheteira@gmail.com ou pelo telefone 916 615 388. Os preços dos bilhetes são os seguintes: NORMAL – 5 €; ESTUDANTES, SENIORES, PROTOCOLOS, CLUBE DE AMIGOS e GRUPOS (+ 10 elementos) – 3 €.

Espectáculo aconselhável para a maiores de 6 anos, com a duração de 1h15.

APOIO: COIMBRA CANAL

E SE 17 – Controlo e Automação Industrial – Indústria 4.0

Este programa foi gravado durante da apresentação do livro “Controlo e Automação Industrial – Indústria 4.0” que se realizou no dia 16 de Maio, na livraria Bertrand (Centro Comercial ALMA em Coimbra). O “E se…” é um Programa de J. Norberto Pires, para o Coimbra Canal, com a realização de Rijo Madeira. Este episódio, pela relevância das intervenções, reflete uma visão e uma estratégia industrial e de cooperação universidade-indústria para Coimbra. Com Amílcar Falcão, Ana Lehmann, António Mira, Luis Simoes da Silva, Ricardo Patricio, Frederico Annes (Lidel Edições Técnicas) e J. Norberto Pires. Participação especial do Grupo de Bandolins da Casa Museu Fernand Namora

E SE 16 – Metrobus, o metro que já não é comboio, mas é promessa de BUS.

O “E se…” dirige-se neste episódio aos habitantes de Coimbra e da região de Coimbra para que exijam que seja desta vez que o Metro sai do papel. Desde 1996 que se promete uma solução de mobilidade para Coimbra. Vários milhões de euros depois, recuos e avanços, com várias “soluções” estudadas vezes sem conta, e abandonadas também vezes sem conta, num processo em que se destruiu o velho comboio que existia, Coimbra não tem uma solução de mobilidade. Agora anuncia-se uma solução em formato de loja de chinês, isto é, um Metrobus. O Governo, jurando a pés juntos que não nada tem de eleitoralista, anuncia que tem 120 milhões de euros para a “obra”: 85 milhões para o BUS, 15 milhões para a Estação de Coimbra-B e 20 milhões para material circulante. Eh! lá!, dizem os mais desconfiados. Como é que um Governo que anunciou 2,7 mil milhões para modernizar a Ferrovia Nacional e só executou 160 milhões (7%), vai agora gastar 120 milhões em Coimbra? Se aplicar-mos a mesma taxa de execução estamos a falar de 8,4 milhões de euros…
O “E Se…” alerta para isso e desafia todos a exigirem ao Governo, à CCDRC e a Manuel Machado que cumpram a sua palavra e construam o metro: Eh! pá, construam o BUS, Porra!

E SE 15 – Esperamos que em 2019 seja ano de REALIZAR

Durante os anos de 2017 e 2018 andamos pela região de Coimbra e assinalamos muitas situações que precisam de atenção. Registamos que, em muitas delas, nada aconteceu, nada melhorou. Noutras, a situação até piorou. Na economia e nas empresas, Coimbra continua a marcar passo. A mentirola do aeroporto internacional passou sem consequências. O descalabro dos transportes continua: Coimbra, uma cidade universitária, vive com uma vergonha que é a sua estação de comboio. O iParque continua adiado. A cultura continua uma promessa. Um pouco por todo o lado se verifica a falta de estratégia. A vergonha que foi o processo da nova maternidade mostra que Coimbra é inconsequente. Discute, envolve-se em polémicas, mas não realiza.
Para 2019, em todas estas áreas, desejamos mais realização e mais estratégia. Pode ser?

“E se…” deseja a todos um excelente 2019.

NOITE SAUDÁVEL DAS CIDADES DO CENTRO DE PORTUGAL

Os contextos recreativos desempenham um papel importante na vida das cidades e dos jovens mas têm, em várias situações, uma ligação intrínseca com a rutura de hábitos de vida saudáveis e a associação a uma multiplicidade de fatores de risco em várias áreas (violência, abuso de álcool e/ou consumo de drogas ilícitas, sinistralidade rodoviária, etc.).
Há um conjunto de comportamentos individuais e coletivos que podem contribuir para esta situação agravar ou melhorar o bem-estar, a segurança e a qualidade dos espaços de recreação noturna. A título de exemplo, um inquérito de 2013, promovido pelo Instituto Europeu para o Estudo dos Fatores de Risco (IREFREA – Portugal), a 500 frequentadores da noite maiores de 16 anos, em Coimbra, dá evidência a esta realidade. Estes dados veem ao encontro das preocupações também evidenciadas, entre outras entidades, pelas Forças de Segurança de Coimbra assim como pela Divisão de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (DICAD) e pelo Centro de Prevenção do Tratamento do Trauma Psicológico – CHUC. Falamos de uma realidade transversal a outros municípios do nosso Pais e à Europa onde vivemos. De registar internacionalmente a multiplicidade de projetos já implementados visando a prevenção destas problemáticas.
Tendo em conta as preocupações comuns do Centro de Prevenção e Tratamento do Trauma Psicológico (CPTTP) — Centro de Responsabilidade Integrado de Psiquiatria (CRI), do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra — e do Instituto Europeu para o Estudo dos Fatores de Risco (IREFREA, Portugal), nasce em 2014 o projeto Noite Saudável da Cidade de Coimbra, que na sequência do Fórum Internacional “Noite Saudável das Cidades”, que se realizou de 4 a 6 de Maio 2016 em Coimbra, promove a “Declaração Noite Saudável das Cidades do Centro de Portugal”, documento que viria a ser subscrito em Junho do mesmo ano por dezenas de entidades, entre as quais 21 municípios da região centro do país. Investindo na prevenção da violência interpessoal, do abuso de álcool e consumo de drogas ilícitas, e na sinistralidade rodoviária, procura contribuir para
(1) eliminar/atenuar os fatores de risco associados às áreas anteriormente referenciadas,
(2) promover fatores protetores, e
(3) potenciar a resiliência comunitária.
Na implementação desta iniciativa importa registar o apoio da CCDRC, na pessoa da Prof.ª Ana Abrunhosa.
Em 2017, no âmbito da candidatura (“Centro 2020”) do Instituto Europeu para o Estudo dos Fatores de Risco (IREFREA – Portugal) surge o atual projeto “Noite Saudável das Cidades do Centro de Portugal”, cuja coordenação científica é assumida pelo Centro de Prevenção e Tratamento do Trauma Psicológico, CRI de Psiquiatria – CHUC e pelo IREFREA – Portugal.

https://www.noitesaudavel.pt/

APOIO: COIMBRA CANAL

E SE 14 – Movimento de Humor

O “E se…” foi acompanhar a apresentação do estudo científico e técnico lançado pelo MH, com a colaboração do Professor Doutor Dom Ingues da Universidade da Flórida. Nesse estudo, com demonstração técnica no local, garante-se que é possível instalar um Aeroporto Internacional no Largo da Portagem em Coimbra. O estudo foi distribuído pela população e os responsáveis pelo MH deram conta da sua atividade cívica.
Na verdade, se há alguma verdade nisto, o MH aproveitou o 5 de outubro para se dar a conhecer e lançar o número zero da revista que pretende tornar regular.
“E Se…”, com humor, estivéssemos atentos ao que se passa em Coimbra?