GLuis

“VARIAÇÕES EM LÁ” PARA O SAUDOSO GUILHERME LUÍS

Permitam-me sugerir um fado em fundo sonoro enquanto escrevo enquanto cada um nos lê neste COIMBRA CANAL. Pode ser o “Rua Larga” com a voz sublime e máscula do Luís Góis. Fechem os olhos. Imaginem a velha Alta por fotografia, os que só a conheceram de fotografia. Ou, ainda de olhos fechados, passeiem a memória pelas ruas e becos da nossa Alta de hoje, os que só assim a conhecem. Como hoje. Fica agora bem uma variação com o som da guitarra de António Ralha.

…Talvez a tocar uma peça do Flávio. Do Flávio, barbeiro.

Cuidado: não estraguem a brincadeira dos miúdos. Estão a jogar com uma bola de papel. Um deles é o Guilherme. Mora na Couraça dos Apóstolos. Tem jeito prá bola o rapaz… Ele quer é ser enfermeiro, deixa-o seguir a vida dele. Mas há mais alguém, e já crescido, por ali?! É o Alberto Gomes!!! O craque da Académica a jogar com a miudagem?! Tal e qual.

Podia jogar, AQUI, no Sport Conimbricense, temos uma boa equipa.

Qualquer dia fazem-nos um pavilhão na Baixa e ainda a sede vai para a Rua Simões de Castro. Ficamos só com hóquei e basquetebol e pouco mais… Tempos difíceis os que se avizinham. Qual quê! Pieguices. Por esse andar estás a criar o Sport Saudade e Salatinas… Se acabaram com a velha Alta também podem acabar connosco. Com o espírito salatina? Nunca. Ouve bem o que eu te digo: NUNCA. Arranja-me ao menos uma equipa de futebol de cinco, ou futsal (é assim que se diz agora?) para constituirmos esse tal Sport Saudade e Salatinas. Cinco salatinas dos bons. Ao menos só cinco, não peço mais. Só cinco? Ou cinquenta? Só cinco! Põe o Fernando Alves na baliza. E mais? Mete aí um selecionador, dos maiores, o Adriano Peixoto. Põe o Eurico Pedro Dias, até foi da Associação de Futebol. Mete o António Henriques Curado que jogou na Académica, no União e no Guimarães. E que começou nos Conimbricenses, não te esqueças. Isso! E completa com o saudoso Guilherme Luís o primeiro grande massagista enfermeiro de Coimbra a distinguir-se na área desportiva.

Era giro recriar o Largo da Feira e fazermos aí um jogo. Com quem? Com o Sport Futuro e Salatinas. Estamos a juntar o Passado com o Presente e com o Futuro. Foi de propósito.

Ser Salatina é ser eterno no amor à Alta e a Coimbra: É ser passado, presente e futuro. É TER UMA GRANDE HISTÓRIA. SER SALATINA É UMA HONRA PERMANENTE. Estamos agora com uma outra guitarrada. Ora oiçam: É em Lá maior. O som parece que vem da barbearia do Flávio aquele com quem tantos estudantes e futricas aprenderam a tocar…

Não conhecia…. Só conheço a Lá… A Lá é a Dona Laura?! Sim, sim. Foi a esposa do senhor Guilherme Luís. O senhor Guilherme tratava a esposa por Lá. Conheceram-se com seis ou sete anos. Eram os dois da Alta. Portanto eram os dois Salatinas…

“O primeiro beijo foi no dia em que lhe pedi namoro, eu tinha vinte e seis anos…” – confidenciou-nos, uma vez, este eterno massagista da Briosa.

Saudoso SENHOR GUILHERME LUÍS, durante toda a sua vida de casado teve saudades desse primeiro beijo à sua Lá e, agora, somos nós quem tem saudades do senhor.

E se o seu coração ainda não sabe: a Malta conseguiu ficar na Primeira Liga. Foi um milagre do São José Viterbo…do Calhabé.

Para a próxima temporada que está à porta o nosso Special One do Calhabé vai levar-nos à Europa, lá, lá, lá. São os santos populares e as nossas FOGUEIRAS DE SÃO JOÃO a continuarem até ao São Pedro e S. Paulo.

Vai de roda…E diz o mandador calmeirão: Ponham a BRIOSA como campeão. A BRIOSA é o emblema do nosso coração. E viva o São João. E já agora, por favor, ponham aí também o São José do Calhabé: o São José Viterbo que ainda vai ser europeu.

Interatividade: sansaocoelho@coimbracanal.pt