Arquivo de etiquetas: coimbra

NA COR DO AVESSO – POENTE

Procuramos o avesso, o outro lado.
O lado das não coisas, das não faces, dos não dogmas, das não máscaras, dos não fins nem inícios. Procuramos o caminho, a viagem, o que vai ligando em vez de separar; o contínuo, fluxo, devir; o que está antes de tudo e tudo sustenta.
Procuramos, afinal, o avesso do espaço onde tanto, e tão mal, nos vamos perdendo.
Procuramos o tempo. O nosso tempo…
 ————————————————————————————

Partimos da Canção de Coimbra!

Uma canção que nos deu quase tudo.

Quisemos agradecer…

Juntámos, em torno das guitarras de Coimbra, amigos de dentro e de fora, desiguais e diferentes. Convidámos seres humanos que gostam acima de tudo de música; que encontram na música o verdadeiro sítio para se viver…

Partimos da Canção de Coimbra para a reencontrar!

Para a reencontrar viva, aberta ao mundo, aberta às novas gerações. Eis a forma escolhida para retribuir a herança infinita deixada pelo Zeca, pela família Paredes, pelo Goes, e tantos outros:

O momento de mostrarmos, simplesmente, as nossas ideias e a nossa música.

Procuramos o tempo. O nosso tempo.
Sob licença: Na cor do avesso

E SE 12 – Especial – Em defesa da memória e do futuro

Um país sem cultura é um país sem memória, sem passado e sem esperança no futuro. Mais do que um espaço mal ocupado, é um espaço que em breve ficará livre, deserto, sem vida.

Ano após ano, Governo após Governo, ministro após ministro, ouvimos juras de amor à cultura, à necessidade de a apoiar, divulgar, dar a conhecer. Ouvimos hossanas à sua importância estratégica, à importância que tem num país vivo e dinâmico.

Eleito um Governo de esquerda, com promessas de dar prioridade à cultura, devolvendo-lhe a dignidade de um Ministério, de um orçamento digno e de debate sobre a forma como tudo seria planeado. Aparentemente, esse Governo esqueceu as promessas, o orçamento e a dignidade. Ouviu, sem debater e sem verdadeiramente escutar.

No limite, os agentes culturais e o público foram para a RUA dizer que querem que a Cultura seja uma prioridade. Este país gasta anualmente 1.2% do PIB em Ciência e 0.8% do PIB em Cultura (dados de 2017 – os valores eram inferiores em anos anteriores).

Só em bancos, desde 2007, Portugal já gastou 17 mil milhões de euros de dinheiro dos contribuintes. Considerando o PIB de 2017 (193,1 mil milhões de euros), isso equivale a 8,81% do PIB2017 gasto a resgatar bancos em 11 anos. Dá que pensar.

O “E se…” participou na ação de rua “Cultura acima de Zero” em Coimbra e ouviu o que vários agentes culturais tinham para dizer.

SUSTEMIDOS – “Bicho do Mato”

Videoclipe oficial do tema “Bicho do Mato” – uma das músicas que marca o novo álbum “Íris “.

A sua sonoridade alia-se a toda uma estética devidamente enquadrada com um imaginário de liberdade, sexualidade, amor, traição, viagens, asfalto, ambientes de prazer e luxúria, sem receios, verdadeiramente iguais a si próprios.

Ricardo Bogalho – Guitarrista e Vocalista
Zé Lima – Guitarras e Coros
Vitor Fonseca – Baixista
Emanuel Rodrigues – Vocalista
Hélder Meireles – Baterista
Joana Nunes – Animadora, Actriz

sustemidos@gmail.com

www.facebook.com/sustemidos

Produção do vídeo: Nuno Portugal

Compositor: Ricardo Bogalho

Letra: Alberto Bogalho

Mistura e Masterização: João Santiago

Cabelo e Maquilhagem: Lorelay Paños

 

Sob licença: Sustemidos

E se… – O convento de São Francisco e a bela abandona

O Convento de São Francisco foi construído no século XVII e foi um convento de frades. Depois foi uma fábrica de lanifícios e acabou por ser adquirido pela CMC em 1995. Esteve para ser um centro de negócios e escritórios, um centro de congressos, um espaço hoteleiro e cultural até que, em Outubro 2010, foi adjudicado o projecto de equipamento cultural que acabou por ser construído.
A obra deveria ter sido inaugurada no final de 2012, isto é, há quase 4 anos e meio. Sim, leu bem, já vamos com uma derrapagem temporal de execução de cerca de 4 anos e meio.
O orçamento inicial foi de 23 milhões de euros. Atualmente, o custo da obra já deve ser superior a 50 milhões de euros, ou seja, apresenta uma derrapagem financeira de mais de 100% do orçamento inicial.
A programação do espaço e a sua gestão, dada a importância e dimensão do equipamento, deveria ter incluído um intenso debate com todos os agentes culturais da cidade e merecido um concurso público para a sua programação e gestão.
Em 2012 fui alertado para o estado de degradação do Mosteiro de Santa-Clara-a-Nova e fiquei sensibilizado pelo pedido de ajuda que me era feito pela Confraria da Rainha-Santa. Visitei (ver fotos) demoradamente o convento, datado do século XVII, na companhia da Prof. Maria José Azevedo, então vice-presidente da Câmara de Coimbra e vereadora da Cultura, e de várias outra pessoas ligadas à CCDRC. Fiquei chocado com o estado de degradação, de desleixo e de desprezo por um monumento nacional tão importante, e que mostra bem a descoordenação existente entre os vários serviços espalhados pelas regiões, e a respectiva ligação ao Governo central.
Mas isso não foi, por incrível que pareça, o que mais me impressionou. Na verdade, o que mais me impressionou foi a monumentalidade do espaço e as imensas possibilidades que tem. É um edifício enorme, com imensas salas e recantos, claustros fabulosos de uma beleza rara, uma vista sobre a cidade maravilhosa e imenso espaço nas traseiras do edifício (usado pelo exército português, a quem o convento esteve alugado, para construir enormes garagens para material circulante e outro). Imaginei logo imensas coisas que ali podiam ser sediadas, com enorme vantagem, dada a localização única. Se Coimbra queria um local para conferencias e espetáculos de média dimensão, que pudesse ainda adicionar espaços para outras manifestações de cultura e a capacidade de alojar visitantes numa pousada de elevada qualidade, este deveria ser o local a considerar em 1º lugar. O espaço está lá, a possibilidade de edificar o que falta (por exemplo, uma sala de espetáculos de média dimensão também, nas traseiras do edifício) também, a qualidade do espaço, da vista, a história viva em todas as paredes, a ligação à padroeira de Coimbra, a localização, tudo parece certo. Até a urgência em recuperar um local que não resistirá por muito mais tempo.
Num dia, também de 2012, assisti num dos recantos exteriores do Convento a um concerto da Orquestra Clássica do Centro, com Coimbra em linha de vista, e pensei quão fabuloso era aquele local. E imaginei-o utilizado em maior escala, ao serviço da cultura, da memória de uma cidade e de um povo, e do bom-senso. Aquele que preserva a nossa história e o nosso património e lhes dá novas valências e utilizações, gastando com parcimónia, estratégia e inteligência os fundos comunitários de que dispomos e que deveriam ser usados para dar uma nova vida àquilo que nos distingue como povo.
O que vejo por aí são massas volumosas de novos edifícios, construídos de raiz, às vezes a metros daqueles que deveriam ser requalificados, sem uma ideia, sem um plano, cheios de problemas de todo o tipo, que custam os olhos-da-cara a construir, que serão impossíveis de manter, desde logo porque são construídos sem objetivos e sem ter verdadeiramente identificado o problema que pretendem resolver, e que, consequentemente, no final não resolvem problema algum. Adicionam muitos outros.
Disse-o e repito: Muito dinheiro, pouca inteligência e nenhum bom-senso.

E se… , um programa de Norberto Pires
Realização de Rijo Madeira

“E SE… na Baixa de Coimbra” – COM A ASSINATURA DE NORBERTO PIRES

São comuns os lamentos dos comerciantes da Baixa de Coimbra relativamente à diminuição drástica de atividade económica. A Baixa de Coimbra pode muito bem “competir” com as grandes superficies quando perceber que é, pode ser, uma muito diferente grande superficie ao ar livre e perceber que tem de conquistar o rio, associando ao comércio atividades de lazer, tempos livres, etc., numa lógica global em que as acessibilidades e o estacionamento são resolvidas. Muito diferente porque baseada em comercio tradicional, de proximidade, serviços, alimentação (tapas e gastronomia regional), etc., num espaço que se estende até ao rio e tem locais de atividade cultural (música, teatro, galerias, etc.), mas também junta atividades paras as famílias, tudo numa lógica de criar uma nova centralidade. E tem de ser habitada, por forma a ter vida diária, provavelmente criando também no local condições para residências universitárias de alunos de pós-graduação, docentes e discentes visitantes, etc. A baixa tem de instalar empresas, aproveitando alguns dos edifícios que por lá existem. Tem de remover a linha de comboio entre Coimbra-A e Coimbra-B, transformar a estação de Coimbra-A num centro de negócios e conquistar o rio. A baixa só renascerá com gente que lá trabalhe e faça lá a sua vida, com atividades culturais que a diferenciem, com motivos para sair à noite, com atividade que apele a Coimbra. E se…

E se… , um programa de Norberto Pires
Realização de Rijo Madeira

Joaquim Norberto Cardoso Pires da Silva é actualmente professor  do Departamento de Engenharia Mecânica na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, onde é responsável pelo laboratório de Robótica Industrial. Organizou vários cursos, conferências e workshops sobre robótica e automação. É ainda director da revista técnico-científica Robótica, a única revista Portuguesa na área da robótica e automação.

Não Conduza De Olhos Fechados

10 a 20% dos acidentes rodoviários são consequência da fadiga ao volante

“NãoConduzaDeOlhosFechados” é a campanha lançada pela
Sociedade Portuguesa de Pneumologia, pela Prevenção
Rodoviária Portuguesa, pela Guarda Nacional Republicana e
pela Linde com o objetivo de alertar os condutores para a fadiga ao volante.

“A fadiga ao volante é apontada como um dos fatores responsáveis por 10% a 20% dos acidentes rodoviários (DaCoTA, 2012). Com o objetivo de alertar para esta realidade e ajudar os condutores não só a identificar os sinais da fadiga, como também a prevenir e agir perante esta situação, surgiu a campanha Não Conduza de
Olhos Fechados.

Apesar da baixa aceitabilidade e da elevada perceção de risco da condução quando fatigados, 59% dos portugueses (60% na UE) revelaram ter conduzido quando estavam demasiado cansados para o fazer nos 12 meses anteriores ao estudo”, tal como indicam os resultados do mais recente estudo europeu sobre opiniões, atitudes
e comportamentos auto-declarados dos utentes da estrada no que diz respeito a riscos rodoviários (European Survey of Road users’ safety Attitudes – ESRA 2015), em que a PRP participou, afirma Alain Areal.

“Em época de verão, de viagens mais longas rumo às férias e de regresso de tantos emigrantes ao nosso país, consideramos fundamental recordar a importância de um sono reparador antes de viajar”, afirma Susana Sousa, representante da Comissão de Trabalho de Patologia Respiratória do Sono da Sociedade Portuguesa
de Pneumologia. “Nesta época do ano existe um aumento considerável de deslocações e, consequentemente, a exposição ao risco aumenta, tornando-se importante alertar e sensibilizar os condutores para a adoção de atitudes e comportamentos seguros”, sublinha Alain Areal.

De acordo com a Sociedade Portuguesa de Pneumologia, para evitar a sonolência ao volante, é essencial uma boa higiene do sono, que se traduz em 7 a 9 horas de sono regular. “Em viagem, perante sinais como bocejos frequentes, visão desfocada, dificuldade de concentração, sensação de sonhar acordado e dificuldade em
manter os olhos abertos, o melhor será parar, beber uma bebida cafeínada e fazer uma sesta de 15 a 20 minutos”, recomenda Susana Sousa, que sugere ainda que, em viagens longas, a tarefa de conduzir seja partilhada entre vários passageiros da viatura.

Também para evitar a fadiga e a sonolência, Alain Areal sugere que “os condutores iniciem a viagem bem repousados, que comam refeições ligeiras, que não consumam bebidas alcoólicas, que tenham a noção de que alguns medicamentos podem causar sonolência”. O Diretor-Geral da PRP recomenda também uma pausa ativa de 15 minutos a cada duas horas de condução e que, durante essa pausa, o condutor saia do veículo e faça alguns movimentos.

Mais informações: Cátia Jorge | catiajorge@raiox.pt | 926432143

Foto: Gilson Fonseca

 

Choupal – por Ana Isabel Gomes

Após alguns anos a residir fora de Coimbra e tendo regressado novamente este mês, passei hoje no Choupal. O pulmão e um dos orgulhos da cidade. Com enorme satisfação, vi que foram realizadas bastantes melhorias nos acessos. Arranjou-se um enorme parque de estacionamento a poucos metros da sua entrada, construiram-se passeios de acesso a partir do mesmo, passadeiras com rampas, pista para bicicletas, etc. Condições fantásticas para qualquer cidadão, incluindo os que têm mobilidade reduzida e se deslocam em cadeira de rodas, pais com carrinhos de bebés, ou já com crianças em que se aproveita a oportunidade para aprenderem a andar pelos passeios, a passar nas passadeiras e a respeitar o próximo. Só que não!!! O Parque de estacionamento está quase vazio e, há por sua vez, filas de carros estacionados em cima do passeio, rampas e passadeira! Os cidadãos em cadeira de rodas têm que voltar para casa. Um cidadão sem limitações da mobilidade e uma mãe com um carrinho de bebé ou crianças mais velhas, têm que andar pelo meio da estrada, passar fora da passadeira, ou desistir da actividade lúdica e ir para um centro comercial onde as regras de estacionamento sejam cumpridas. Que vergonha!!! E pensar que as pessoas vão para o Choupal passear e fazer desporto, mas não se dignam a andar alguns metros e estacionar no gigante parque de estacionamento, não privando os outros do acesso ao Choupal, nem os obrigando a deseducar as suas crianças e colocá-los em perigo andando pela estrada e a passar a estrada fora das passadeiras. Impensável!!! Peço assim em nome daqueles cidadãos que estão a ser lesados por outros cidadãos, que as autoridades existentes para esse efeito, cumpram o seu dever de os defender, e passem a penalizar esses incumpridores. Claro está, que esta situação é apenas um exemplo da flagrante falta de civismo desses cidadãos e da conivência por falta de actuação por parte das autoridades, e infelizmente, o cenário é visível em várias outras zonas da cidade, onde até se investiu na melhoria da qualidade de vida da população, mas não na educação de uma parte da mesma.

Muito obrigada.

Atenciosamente, Ana Isabel Gomes

Foto: http://www.rotasturisticas.com

Coimbra Canal – informação

COIMBRA CANAL é um serviço de programas de televisão de informação geral, cultura e lazer distribuído pela Internet a partir de Coimbra e inspirado na Sociedade do Conhecimento numa estética que procura a vanguarda e divulga a inovação.

O Coimbra Canal divulga essencialmente noticias de arte, musica e cultura de eventos que decorram em Coimbra e na Região Centro.

Envie-nos as suas noticias para:

press@coimbracanal.com

 

O Coimbra Canal transmite eventos em direto com régie multi-camera em HD.

Conferências,  debates, espetáculos, jogos de diversas modalidades, galas, eventos…

Contate-nos para conhecer as nossas condições.