e se 6

E SE… – Praxe: receção aos caloiros

Este é um daqueles programas que não fará de mim uma pessoa muito popular, mas isso na verdade pouco me importa. Nos últimos dias presenciei, de novo, cenas verdadeiramente degradantes nas várias praxes de receção aos caloiros que fui encontrando um pouco por toda a cidade. Insultos de todo o tipo, palavras de ordem aos gritos, humilhações várias, alunos com excesso de álcool ao ponto de não se aguentarem em pé, alunos que caiem na rua (como presenciei há dias), porque estão de tal forma alcoolizados que pura e simplesmente desmaiam, muito ruído e um conjunto de atividades que nada têm a ver com divertimento, algo que se possa identificar como uma prática de receção àqueles que escolheram Coimbra para estudar ou qualquer outro tipo de ação que eu, mesmo fazendo um enorme esforço para recordar aquilo que fiz como estudante, consiga sequer considerar minimamente admissível.
Atualmente, a praxe de receção aos caloiros resume-se em grande medida a um conjunto de atividades que não dignifica ninguém. Nem quem a aplica, nem quem a recebe, nem a universidade, nem a cidade e muito menos representa algo que possamos considerar espírito académico. É preciso ser claro. Estas práticas não fazem o menor sentido e precisam de uma revisão urgente. Preocupa-me que isto aconteça um pouco por todo o país, mas preocupa-me ainda mais que aconteça na minha universidade. Os alunos da Universidade de Coimbra, em colaboração com a reitoria, deveriam repensar a PRAXE e fazer dela um exemplo para todo o país e para todo o mundo. É uma obrigação e uma necessidade.
A receção aos caloiros tem de ser algo que nos distingue. Com diversão, claro. Com exagero, porque não? Com todas as coisas que têm a ver com pessoas jovens, que têm a vida pela frente e a encaram destemidas, com entusiasmo, cheias de projetos e ambições. Claro que sim. Mas não pode perder o seu propósito, nem pode esquecer que se enquadra numa cidade e numa universidade que tem mais de sete séculos de história. Uma universidade que criou e reinventou a Praxe, que lhe deu várias formas, que a suspendeu e reviu, que a teve sempre como uma prática dinâmica ao serviço dos estudantes e da imagem da Universidade de Coimbra. É importante que esta festa seja uma forma de receber os que nos escolheram, onde lhes são apresentados os vários locais e atividades a que se podem dedicar em Coimbra para além de estudar. Uma forma de lhes apresentar a universidade, os seus serviços e capacidades, a cidade, a sua história e cultura, a região, um estilo de vida com boémia, com cultura, com tertúlia, com amigos, com muitas vivências que só são possíveis numa cidade como Coimbra e numa universidade clássica e secular como a nossa. Deixar que tudo isto se resuma a muito álcool, atitudes nada dignas e muito ruído, é muito pouco, é muito triste e sobretudo não nos dignifica.
Repensar tudo isto é um trabalho urgente. Desafio o Reitor da Universidade de Coimbra e o Presidente da AAC a assumirem essa tarefa como objetivo de curto prazo, dinamizando os estudantes, mas também os docentes e funcionários para algo que me parece absolutamente prioritário. Assumindo o passado, tendo dele um enorme orgulho, mas percebendo que o que hoje fazemos não é, de forma alguma, algo que nos possa deixar satisfeitos ou que nos represente.
Muitos argumentarão, até de forma comparativa, que também existiram excessos no passado que não foram controlados em devido tempo.
É verdade. No entanto, este problema é hoje muito sério porque os danos de imagem, para todos, são agora muito significativos. Afetam-nos a todos de forma muito evidente, mas, arrisco dizer, afetam de forma muito mais significativa os estudantes. A imagem anterior de boémia, associada a coragem, capacidade de intervenção e irreverência, com alguns excessos e excentricidades pelo meio, é agora essencialmente de excessos sem grande conteúdo. Isso não é nada positivo e tem de nos preocupar a todos.
É por tudo isso que apelo aos órgãos da Universidade de Coimbra, da Cidade de Coimbra e da Associação Académica de Coimbra para que repensem a festa e tomem medidas para impedir os excessos, retomando de forma muito marcada a ideia original de uma festa estudantil, irreverente, interventiva, com aspetos culturais muito relevantes, muito divertida e atrevida. É isso que nos distingue.
Norberto Pires

E se… , um programa de Norberto Pires
Realização de Rijo Madeira