Arquivo da Categoria: Parque das Artes – Curia

Fruir eventos culturais num cenário natural idílico.

O Música no Parque pretende ser um variado programa cultural de Música, Literatura, Moda e Artes. Inicia a sua programação associando-se às evocações de Schubert e de Gershwin estando previstas várias atividades culturais nos meses de Maio, Junho, Julho, Setembro e Outubro.

Desassossegos da memória – Parque das Artes

desass1 desass2 desasso3 desasso4“Desassossegos da Memória” – Exposição de fotografia de Inácio Ludgero, com quadros de André Letria, António Casemiro, Catarina Mendes, Cruzeiro Seixas, Fernando Filipe, Graça Morais, José de Guimarães e Maria Gabriel.
“Numa Europa conturbada, sem unidade, sem identidade, assolada nos últimos cem anos por duas Guerras Mundiais, de descolonizações, refugiados, emigrantes e migrantes, eu, Inácio Ludgero, repórter-fotográfico, desassossegado com toda a situação de crise, que começou a germinar entretanto, resolvi fazer uma viagem por França, Espanha e Portugal e registar as minhas inquietações em fotos”.
Para além das fotos do repórter-fotográfico grandes nomes das Artes Plásticas estarão representados nesta exposição que desassossega a memória, interpelando-nos sobre a ideia de Europa que temos e não temos.
A exposição estará presente no Parque das Artes no antigo balneário das Termas da Curia. A sua arquitectura empresta o encanto único para acolher esta exposição, que pode ser visitada de 11 de Agosto até 27 de Outubro.

APOIO: COIMBRA CANAL

DESASSOSSEGOS

 

Tributo a George Gershwin – Parque da Curia

parque
O tributo a George Gershwin (1898 – 1937) continua dia 11 de Agosto no Parque das Artes – Curia, com um concerto pelo grupo Sax Ensemble, o pianista Jorge Fontes e a soprano Carla Bernardino.
Continuamos a evocar a vida e a obra deste grande compositor americano, quando passam 120 anos do seu nascimento.
Segue-se um jantar na antiga sala do Casino, sujeito a marcação para o nº telefone: 231 519 800 do Hotel Termas da Curia.

Na Buvette continua patente a exposição da vida e obra do compositor, que pode ser visitada diariamente.

Fotos do evento:

carla2

carla3carla1

Assista a alguns desses momentos mágicos:





Arte ao vivo, no Parque das Artes

O escultor Pedro Figueiredo e o pintor Juan Daniel Domingues estarão a trabalhar ao vivo no Parque das Artes. Pedro Figueiredo irá iniciar a construção de uma escultura monumental através da técnica de gesso directo, que, mais tarde, será passada a bronze. Juan Daniel Domingues irá pintar e desenhar nos temas da sua própria linguagem plástica.
Esta é uma parceria com a Galeria Nuno Sacramento – Arte Contemporânea.

Fotos do evento:

curia1 curia2 curia3 curia4 curia5pintura parque

Exposição Vida e Obra de George Gershwin – Curia

George Gershwin nasceu em Brooklyn, Nova Iorque, a 26 de Setembro de 1898. Vamos evocar a vida e a obra deste grande compositor, quando passam 120 anos do seu nascimento, com um ciclo de eventos musicais que começam dia 28 de Julho de 2018. Inaugura-se, ainda, na Buvette, Parque das Artes – Curia, uma exposição da vida e obra do compositor americano.

Dia 28 Julho

17h00 – BIG BAND.- Orquestra Smooth

big band18H30 – Inauguração da Exposição Vida e Obra de George Gershwin (1898-1937).

Entrada LIVRE.

gershwinApoio: Coimbra Canal

Música no Parque – Maestro Vitorino d’Almeida, Carla Bernardino e Jorge Fontes

Música no Parque – Maestro Vitorino d’Almeida, Carla Bernardino e Jorge Fontes no Parque da Curia

Fruir eventos culturais num cenário natural idílico.

Dia 16 de Junho, pelas 20h00, na Buvette do Hotel Termas da Curia, uma palestra pelo Maestro António Vitorino d’Almeida e recital pela soprano Carla Bernardino acompanhada pelo pianista Jorge Fontes. O evento consta de uma palestra, jantar e recital.

O Música no Parque pretende ser um variado programa cultural de Música, Literatura, Moda eArtes. Inicia a sua programação associando-se às evocações de Schubert e de Gershwin estando previstas várias atividades culturais nos meses de Maio, Junho, Julho, Setembro e Outubro.

O Parque da Curia criou o ciclo Música no Parque e convida os espetadores para este evento com música de Franz Schubert (1797-1828), quando passam 190 anos da morte deste genial compositor austríaco.

 

Apoio: Coimbra Canal

musica curia

Música no Parque – Orquestra de Sopros de Coimbra no Parque da Curia

Fruir eventos culturais num cenário natural idílico.

O Parque da Curia criou o ciclo Música no Parque e convida os espetadores para um recital com música de Franz Schubert (1797-1828), quando passam 190 anos da morte deste genial compositor austríaco, pelo pianista Jorge Fontes, que interpretará também temas de Sergei Prokofiev (1891-1953).

A celebração de Schubert continua no próximo dia 2 de Junho, pelas 18h00, com um concerto da Orquestra de Sopros de Coimbra, ao ar livre, no Parque da Curia.

Segue-se, no dia 16 de Junho, pelas 20h00, na Buvette do Hotel Termas da Curia, uma palestra pelo Maestro António Vitorino d’Almeida e recital pela soprano Carla Bernardino acompanhada pelo pianista Jorge Fontes.

O Música no Parque pretende ser um variado programa cultural de Música, Literatura, Moda eArtes. Inicia a sua programação associando-se às evocações de Schubert e de Gershwin estando previstas várias atividades culturais nos meses de Maio, Junho, Julho, Setembro e Outubro.

OSC | ORQUESTRA DE SOPROS DE COIMBRA
OSC|orquestra de sopros de coimbra é a designação adotada pela formação orquestral desde o ano de 2010, pese embora desde a sua fundação a denominação fosse Grupo de Instrumentos de Sopro de Coimbra (GISC). Esta demudamento justificou-se pela
dimensão artística e humana que a orquestra alcançou, bem patente no seu currículo, considerando tratar-se de um agrupamento musical sem cariz profissional.
Fundado em 1982, o GISC iniciou a sua atividade com apenas 9 instrumentistas, tratando-se da primeira associação do género em Portugal. Desde a sua fundação os objetivos que nortearam esta Associação foram: desenvolver atividades musicais, fomentando o desenvolvimento da música juvenil e da cultura musical em geral;
ampliar a formação dos seus associados, através de uma oferta própria que se consubstancia na abordagem de repertórios novos e diversificados, no tratamento interpretativo e no rigor e exigência que coloca nas atividades que desenvolve e contribuir para a dinamização cultural em território nacional e no estrangeiro.
Marcado por uma intensa atividade cultural, o GISC e, posteriormente, a OSC apresentou-se em concertos autónomos e em parceria com outros grupos musicais, praticamente em todas as regiões de Portugal continental e em muitos países estrangeiros, entre os quais se destacam as seguintes digressões: França, Bélgica e Luxemburgo (1987); Polónia (1989); França e Bélgica (1991); Itália (1994, 1997 e 2003); Hungria (1999); Rússia (2000); Itália (2003); Bélgica e Itália (2005); Japão (2008) e Alemanha (2010).
Desde o início da sua atividade até ao presente momento estima-se que tenham passado pelos quadros da OSC mais de 380 jovens músicos, tendo a maior parte fixado a sua profissão na área musical, alguns deles em reputadas orquestras no estrangeiro.
Em 2001 gravou o seu primeiro trabalho discográfico, intitulado "Prólogo“, e no ano seguinte, em 2002, publicou o seu segundo disco denominado "RefleXXos" que
assinalou também duas décadas de atividade ininterrupta.
Desde a sua fundação a direção artística foi assegurada pelo Prof. Adelino Martins, tendo-lhe sucedido em 2 de fevereiro de 2013 o maestro André Granjo, contando atualmente com a colaboração de 50 jovens músicos.

LEANDRO ALVES
Frequentou o Mestrado em Direcção de Orquestra na Universidade de Aveiro com o maestro Ernst Schelle. Tem participado em Cursos de Direcção de Orquestra e de Banda, onde trabalhou com diversos maestros dos quais se destacam Douglas Bostock, Ernst Schelle, Jean-Sebastien Béreau, Jésus Médina, Luís Gustavo Petri e Roberto
Montenegro, e com a Orquestra Filarmonia das Beiras, a Orquestra do Algarve, a Orquestra Clássica do Centro, e o Ensemble da Banda Sinfónica Portuguesa.
É maestro da Orquestra da Tuna Académica da Universidade de Coimbra e da Orquestra Juvenil de Cascais e maestro assistente na Orquestra Académica da Universidade de Coimbra e da Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras, trabalhando com os maestros André Granjo e Nikolay Lalov. Dirige regularmente como maestro
convidado a Orquestra Filarmonia das Beiras, tendo recentemente dirigido a Orquestra Clássica do Centro, a Orquestra Vibrations, a Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras no 43º Festival de Música Estoril – Lisboa e a Orquestra Filarmonia das Beiras no Coimbra World Piano Meeting.
Foi assistente do maestro Ernst Schelle no Curso de Arte Orquestral da Orquestra Filarmonia das Beiras (2015 a 2017) e coordenador do naipe das madeiras no Estágio de Orquestra AECMC (Associação de Estudantes do Conservatório de Música de
Coimbra – 2015 a 2017) onde trabalhou com os maestros Ernst Schelle, Rui Pinheiro e Jan Wierzba.
Ao nível de orquestras académicas ou de jovens, dirigiu a Orquestra de Sopros do VIII Estágio da Guia, a Orquestra da Escola de Artes da Bairrada, a Orquestra de Câmara da Maia, a Orquestra do Conservatório de Música de Torrelavega (Espanha) e a Orquestra
de Cordas do DeCA – Universidade de Aveiro. Foi maestro da Orquestra do Conservatório de Música de Coimbra (2011-2017).
Colaborou com o Coro Infantil, Juvenil e Adulto da União de Freguesias de Santiago e S. Simão de Litém e Albergaria dos Doze,o Coro Vox et Communio, o Coro Polifónico do Oeste, o Coro do Conservatório de Música de Cascais, o Coro Misto da Universidade
de Coimbra e com o Orfeon Académico da Universidade de Coimbra.
Dirigiu solistas tais como Ana Beatriz Ferreira, André Roque Cardoso, Daniel Rodriguez Hart, Fumiya Koido, Inês Costa, Luís Costa, João Bettencourt da Câmara, Ruben Micieli (piano), Pedro Carneiro (violino), Nuno Dias, Taís Bandeira, Vera Silva, Alexandra
Calado (canto) Paulo Vaz de Carvalho (guitarra), Ricardo Ramos e Rui Lopes (fagote), Henrique Portovedo (saxofone), Luís Granjo, Daniel Tapadinhas Fred Sautter e Adam Rappa (trompete) e Sérgio Carolino (tuba). Acompanhou também artistas nacionais da
música ligeira como Luiz Caracol, Miguel Gameiro e Vitorino.
O seu repertório estende-se do barroco à atualidade, da oratória à ópera, e inclui algumas estreias absolutas.

APOIO: Coimbra Canal

1_FB_TIMELINE-NEWS-FEED-PHOTO_1200X1200_1

Recital de Schubert na antiga sala do Casino na Curia

Recital de Schubert na antiga sala do Casino na Curia

Fruir eventos culturais num cenário natural idílico. O Parque da Curia criou o ciclo Música no Parque e convida os espetadores para um recital com música de Franz Schubert (1797-1828), quando passam 190 anos da morte deste genial compositor austríaco, pelo pianista Jorge Fontes, que interpretará também temas de Sergei Prokofiev (1891-1953).

É já no próximo dia 19 de maio, pelas 21h00, no Hotel Termas da Curia. O programa do dia 19 começa às 17h00, com a inauguração da exposição “Franz Schubert: 190 anos da sua morte”, na Buvette do Hotel Termas da Curia.

Pelas 19h00, realiza-se um jantar na antiga sala do casino, seguindo-se o recital (21h00), no mesmo espaço histórico. Jantar e recital têm um custo de 30 euros por pessoa.

A celebração de Schubert continua no próximo dia 2 de Junho, pelas 18h00, com um concerto da Orquestra de Sopros de Coimbra, ao ar livre, no Parque da Curia.

Segue-se, no dia 16 de Junho, pelas 20h00, na Buvette do Hotel Termas da Curia, uma palestra pelo Maestro António Vitorino d’Almeida e recital pela soprano Carla Bernardino acompanhada pelo pianista Jorge Fontes.

O Música no Parque pretende ser um variado programa cultural de Música, Literatura, Moda eArtes. Inicia a sua programação associando-se às evocações de Schubert e de Gershwin estando previstas várias atividades culturais nos meses de Maio, Junho, Julho, Setembro e Outubro.

Biografia do pianista Jorge Fontes

Nasceu em Avelar, Ansião, onde iniciou os seus estudos musicais na filarmónica local. Mais tarde, prossegue-os no Conservatório de Música de Coimbra e na Escola Superior de Música de Lisboa, onde termina a licenciatura em Piano.

Realizou, como pianista concertista, inúmeros recitais em Portugal e Espanha, dos quais se destacam os concretizados no Museu Nogueira da Silva, em Braga, no salão nobre do Palácio Foz, em Lisboa, no Consulado de Portugal, em Sevilha, e os dois ciclos de concertos comentados “Sonatas de Primavera”, na Casa-Museu Bissaya Barreto, em Coimbra.

Foi professor de Piano e pianista, na Escola de Música de São Teotónio, em Coimbra, na Academia de Música e Escola Profissional de Música de Viana doCastelo. Atualmente é professor no Conservatório de Música da Covilhã.

APOIO: COIMBRA CANAL