Arquivo da Categoria: E se…

Um programa com a assinatura de Norberto Pires.
Realização de Rijo Madeira

E SE – A cheia e a incúria

nfelizmente, mais uma vez, todo o vale do Mondego sofreu mais uma cheia que destruiu bens, meios de produção industriais e agrícolas, afetou transportes e deixou com o coração nas mãos vários milhares de pessoas. Tudo isto, para além de desanimador, é absolutamente desesperante. É verdade que no Inverno chove e, apesar de darem nomes fofinhos às intempéries, os efeitos do mau tempo podem resultar em estragos significativos. No entanto, construiu-se há cerca de 40 anos um sistema, denominado Empreendimento de Fins Múltiplos do Baixo Mondego, que visava controlar a natureza rebelde do rio Mondego e seus afluentes, evitando assim as cheias frequentes que alagavam a cidade de Coimbra e as populações até à Figueira-da-foz. Esse sistema, apesar de muito bem pensado, não é, nem poderia ser, infalível, mas foi planeado para ser capaz de evitar a maioria das situações que davam origem a cheias.
Na verdade, desde que entrou em funcionamento, e enquanto o sistema era novo (não eram críticos os efeitos de ausência de manutenção), não houve problemas de maior. No entanto, em 2001, regista-se de novo uma grande cheia em todo o vale do Mondego.

Nessa altura, assim como nas cheias seguintes de 2016 (duas consecutivas nesse mesmo ano), os relatórios de análise da situação apontavam causas gravíssimas:
1 )Total ausência de manutenção do sistema, o que, como é fácil de entender, potenciava falhas nos equipamentos, e com isso eventos graves de cheias e perdas de bens materiais, para além de colocar em risco a vida humana, por deficiente funcionamento do sistema;
2 ) O facto de ser uma obra inacabada, isto é, não tinham sido regularizados, como fazia parte do projeto original, os vários afluentes do Mondego, faltavam equipamentos (por exemplo, das 6 bombas de alto débito planeadas para estar a jusante do açude e que deveriam retirar do rio aproximadamente 500 m3/s de água, só uma tinha sido instalada);
3 ) O facto de ser uma obra com 40 anos, projetada num determinado cenário, tendo em conta a ocupação do território e as opções tecnológicas da altura. Todas as obras de engenharia têm de ser avaliadas, de tempos a tempos, revisitando os projetos, de forma a adaptá-las à nova realidade e melhorar o seu desempenho tendo em conta novas soluções tecnológicas. Em 40 anos, para além de não ser mantido, este empreendimento não foi revisitado;
4 ) O facto de não existir nenhuma entidade de gestão que permitisse garantir as tarefas acima mencionadas, mas também monitorizar o rio e os seus afluentes e instalar sistemas de vigilância essenciais para uma resposta célere, segura e eficaz. Uma entidade de gestão que tivesse ainda a autoridade necessária para avaliar qualquer obra que fosse planeada na sua área de intervenção, acautelando assim a eficácia global do sistema;
5 ) Não foi ajustada, à medida da evolução dos tempos e das novas circunstâncias, a forma como eram/são geridas as barragens do Mondego, nomeadamente a Aguieira, exigindo parâmetros de gestão não somente economicistas e mais adaptados ao dia-a-dia das populações. Por exemplo, existem relatos, não confirmados, de que nesta cheia de 2019, a barragem da Agueira esteve em risco sério de colapso. O que torna incompreensível o cancelamento, em 2016, da Barragem de Girabolhos. Na verdade, essa barragem, que fazia parte do plano original de intervenção no rio, foi cancelada em 2016, também, por este ministro que agora queria mover aldeias. O presidente da Endesa, Nuno Ribeiro da Silva, diz que a obra não avançou em 2016 por “pressão política” do Bloco de Esquerda e do Partido Ecologista Os Verdes, que queriam rever os termos do acordo que já tinha sido assinado. É importante que isso seja esclarecido com urgência.

Acresce que o rio Mondego, por exemplo, sofreu obras de desassoreamento em 2017 e 2018. No entanto, os inertes removidos do leito do rio foram usados para fazer um aterro gigantesco a jusante do açude e uma parte para uma nova praia fluvial a norte do açude. A QUERCUS alertou nessa altura para a insensatez desse aterro, fazendo vários avisos de que os efeitos seriam os de potenciar novas cheias e dificuldades nas terras a jusante de Coimbra. Bateram na porta errada, ninguém lhes ligou. As consequências estão à vista.

Para além disso, com incêndios, ausência de limpeza das matas, total desordenamento da floresta, etc., os resíduos florestais, matéria ardida, etc., vão parar ao rio sempre que as condições climatéricas são adversas. Basta ver a quantidade enorme de árvores partidas que o rio transportava, muitas das quais são ainda visíveis nos pilares da Ponte Pedonal, da ponte de Santa Clara e no Açude. Tudo isso contribuiu para esta cheia, para a pressão sobre os diques e para o colapso de todo o sistema.

Ao contrário do que disse o insensato Ministro do Ambiente, que, depois de ter autorizado um Aeroporto Internacional no estuário do Tejo, queria mudar de sítio as aldeias de Montemor, não precisamos de mudar as aldeias de sítio. Precisamos que aprendam que não podem construir em leito de cheia, que temos de respeitar o rio, mas acima de tudo, que temos todos de exigir que o sistema de engenharia desenhado para o controlar seja revisitado, revisto, finalizado, mantido, gerido e monitorizado. Isso é essencial para o nosso futuro e não pode continuar desta forma. São os cidadãos que o têm de exigir, pois por iniciativa das autoridades públicas isso não irá acontecer, como os factos demonstram.

Texto publicado no Diário As Beiras de 28 de Dezembro de 2019
Agradecimentos; Miguel Franco e Álvaro Cadima

E SE 17 – Controlo e Automação Industrial – Indústria 4.0

Este programa foi gravado durante da apresentação do livro “Controlo e Automação Industrial – Indústria 4.0” que se realizou no dia 16 de Maio, na livraria Bertrand (Centro Comercial ALMA em Coimbra). O “E se…” é um Programa de J. Norberto Pires, para o Coimbra Canal, com a realização de Rijo Madeira. Este episódio, pela relevância das intervenções, reflete uma visão e uma estratégia industrial e de cooperação universidade-indústria para Coimbra. Com Amílcar Falcão, Ana Lehmann, António Mira, Luis Simoes da Silva, Ricardo Patricio, Frederico Annes (Lidel Edições Técnicas) e J. Norberto Pires. Participação especial do Grupo de Bandolins da Casa Museu Fernand Namora

E SE 16 – Metrobus, o metro que já não é comboio, mas é promessa de BUS.

O “E se…” dirige-se neste episódio aos habitantes de Coimbra e da região de Coimbra para que exijam que seja desta vez que o Metro sai do papel. Desde 1996 que se promete uma solução de mobilidade para Coimbra. Vários milhões de euros depois, recuos e avanços, com várias “soluções” estudadas vezes sem conta, e abandonadas também vezes sem conta, num processo em que se destruiu o velho comboio que existia, Coimbra não tem uma solução de mobilidade. Agora anuncia-se uma solução em formato de loja de chinês, isto é, um Metrobus. O Governo, jurando a pés juntos que não nada tem de eleitoralista, anuncia que tem 120 milhões de euros para a “obra”: 85 milhões para o BUS, 15 milhões para a Estação de Coimbra-B e 20 milhões para material circulante. Eh! lá!, dizem os mais desconfiados. Como é que um Governo que anunciou 2,7 mil milhões para modernizar a Ferrovia Nacional e só executou 160 milhões (7%), vai agora gastar 120 milhões em Coimbra? Se aplicar-mos a mesma taxa de execução estamos a falar de 8,4 milhões de euros…
O “E Se…” alerta para isso e desafia todos a exigirem ao Governo, à CCDRC e a Manuel Machado que cumpram a sua palavra e construam o metro: Eh! pá, construam o BUS, Porra!

E SE 15 – Esperamos que em 2019 seja ano de REALIZAR

Durante os anos de 2017 e 2018 andamos pela região de Coimbra e assinalamos muitas situações que precisam de atenção. Registamos que, em muitas delas, nada aconteceu, nada melhorou. Noutras, a situação até piorou. Na economia e nas empresas, Coimbra continua a marcar passo. A mentirola do aeroporto internacional passou sem consequências. O descalabro dos transportes continua: Coimbra, uma cidade universitária, vive com uma vergonha que é a sua estação de comboio. O iParque continua adiado. A cultura continua uma promessa. Um pouco por todo o lado se verifica a falta de estratégia. A vergonha que foi o processo da nova maternidade mostra que Coimbra é inconsequente. Discute, envolve-se em polémicas, mas não realiza.
Para 2019, em todas estas áreas, desejamos mais realização e mais estratégia. Pode ser?

“E se…” deseja a todos um excelente 2019.

E SE 14 – Movimento de Humor

O “E se…” foi acompanhar a apresentação do estudo científico e técnico lançado pelo MH, com a colaboração do Professor Doutor Dom Ingues da Universidade da Flórida. Nesse estudo, com demonstração técnica no local, garante-se que é possível instalar um Aeroporto Internacional no Largo da Portagem em Coimbra. O estudo foi distribuído pela população e os responsáveis pelo MH deram conta da sua atividade cívica.
Na verdade, se há alguma verdade nisto, o MH aproveitou o 5 de outubro para se dar a conhecer e lançar o número zero da revista que pretende tornar regular.
“E Se…”, com humor, estivéssemos atentos ao que se passa em Coimbra?

E SE 13 – Perguntas sobre a Maternidade de Coimbra

Recentemente, um grupo de trabalho nomeado pelo Governo apresentou um relatório em que recomendava a construção de uma nova Maternidade em Coimbra, no espaço dos atuais Hospitais da Universidade. Outras opções, como reinstalar os atuais serviços no Hospital dos Covões, na maternidade Bissaya Barreto ou no Hospital Pediátrico foram liminarmente afastadas. A decisão, prontamente anunciada pela ARS do Centro e pelo PCA dos CHUC, na presença do Ministro da Saúde, é de tal forma estranha que causou de imediato polémica. Na verdade, quem conhece minimamente o espaço dos HUC, cheio de trânsito, sem estacionamento, com gravíssimos problemas urbanísticos no espaço circundante, sobrelotado, estranhamente desorganizado e onde são frequentes todo o tipo de situações médicas nos serviços de urgência e de ambulatório, nomeadamente gravíssimas infeções resistentes, não poderia deixar de estranhar como é que se pretende instalar uma maternidade naquele espaço. Os argumentos ainda eram mais estranhos, pois centravam-se na segurança das grávidas e recém-nascidos, aparentemente dependente da proximidade física aos serviços de emergência (blocos operatórios e serviços de cuidados intensivos) e da capacidade de mobilizar rapidamente várias especialidades. Projeta-se então construir 13.000 m2 na zona leste dos HUC, ocupando o atual espaço da enfermaria masculina da psiquiatria e de uma enfermaria de neurologia. No referido relatório nada se dizia sobre novos blocos operatórios, salas de parto ou unidades de recobro, mas, depois de algum debate, passou a dizer-se que, afinal, existiriam espaços independentes dessas tipologias dedicados à nova maternidade. Como nada disso está no projeto apresentado, começamos já com uma originalidade que é ter um deslize orçamental ainda antes de a obra começar. Ou será que se prevê é mesmo compartilhar espaços assistenciais com os usados pelos doentes do resto do hospital? Pelo meio lançaram-se números assustadores: 20% das grávidas estariam em risco e, pasme-se, de um momento para o outro o funcionamento das maternidades existentes, ainda há pouco considerado de excelência, passou a ser classificado de “criminoso”. As minhas perguntas começam aqui, depois de ter ouvido muita gente, entre profissionais de saúde, políticos, cidadãos em geral, incluindo aqueles que são um pouco de tudo isto. 1) Se as maternidades têm de ser reorganizadas e fundidas, por que razão não podem ser usadas as instalações da Bissaya Barreto? Se é necessário construir um novo bloco e até unidades de recobro à parte, porque não se faz isso na maternidade? Quem tem de se deslocar são os especialistas sempre que necessário. E os mesmos deveriam ter meios de transporte rápido para percorreram os poucos mais de 500 metros entre os HUC e a Bissaya Barreto. 2) Dos 20% de eventos registados em grávidas, quantos são exatamente não antecipáveis, graves e emergências? E desses, quantos não poderiam ser resolvidos, com total segurança, numa maternidade renovada em instalações e meios humanos? 3) Por que razão não pode a nova maternidade ser instalada nos Covões, que tem todas as condições para a acolher, incluindo blocos já montados e unidade de cuidados intensivos, e ainda as condições necessárias para os utentes e seus familiares: enfermarias, espaço, estacionamento, etc.? 4) O que leva a comissão a preferir o espaço sobrelotado dos HUC, construindo mais um edifício, a soluções bem mais simples, aparentemente mais seguras e talvez menos onerosas? E como ou onde vai reinstalar os serviços que remove dos HUC? Por exemplo, a psiquiatria vai de novo ser estigmatizada para um getto, como o antigo pediátrico ou para o Sobral Cid, ou vai, em parte, ser encaixada noutros lados, proporcionando assim mais um downsizing disfarçado de inovação? 5) Se a presença nos HUC é essencial por uma questão de proximidade a cuidados intensivos e outras especialidades no caso das grávidas, o que dizer de todos os serviços desconcentrados dos HUC que funcionam um pouco por toda a cidade e não têm essa proximidade? Não interessam? Não necessitam? Serão aqueles serviços dedicados a velhos, incuráveis ou descartáveis, já com a morte no horizonte das suas vidas? Qual é a razão desta diferença de tratamento? Não deveria o cuidado ser igual para todos? Não deveria a tal comissão, que “resolve” liminarmente todos os problemas de ordenamento e de circulação sobrelotada da zona com a proposta de construção de um silo auto, considerar as consequências para os doentes dos serviços deslocalizados? Estas perguntas, e muitas outras, fui fazendo durante as últimas semanas e não obtive resposta. Gostava de ter resposta e gostava de lembrar que a saúde é de tal forma importante para Coimbra e para todos os cidadãos que não pode, de forma alguma, estar somente na mão de alguns.

E SE… um programa de Norberto Pires com realização de Rijo Madeira

 

E SE 12 – Especial – Em defesa da memória e do futuro

Um país sem cultura é um país sem memória, sem passado e sem esperança no futuro. Mais do que um espaço mal ocupado, é um espaço que em breve ficará livre, deserto, sem vida.

Ano após ano, Governo após Governo, ministro após ministro, ouvimos juras de amor à cultura, à necessidade de a apoiar, divulgar, dar a conhecer. Ouvimos hossanas à sua importância estratégica, à importância que tem num país vivo e dinâmico.

Eleito um Governo de esquerda, com promessas de dar prioridade à cultura, devolvendo-lhe a dignidade de um Ministério, de um orçamento digno e de debate sobre a forma como tudo seria planeado. Aparentemente, esse Governo esqueceu as promessas, o orçamento e a dignidade. Ouviu, sem debater e sem verdadeiramente escutar.

No limite, os agentes culturais e o público foram para a RUA dizer que querem que a Cultura seja uma prioridade. Este país gasta anualmente 1.2% do PIB em Ciência e 0.8% do PIB em Cultura (dados de 2017 – os valores eram inferiores em anos anteriores).

Só em bancos, desde 2007, Portugal já gastou 17 mil milhões de euros de dinheiro dos contribuintes. Considerando o PIB de 2017 (193,1 mil milhões de euros), isso equivale a 8,81% do PIB2017 gasto a resgatar bancos em 11 anos. Dá que pensar.

O “E se…” participou na ação de rua “Cultura acima de Zero” em Coimbra e ouviu o que vários agentes culturais tinham para dizer.

E SE 11 – A realidade dos “sem abrigo” em Coimbra

A realidade dos “sem abrigo” em Coimbra é desconcertante. Assim, de repente, parece que não são muitos, pelo menos aqueles que são visíveis, mas são várias dezenas aqueles que vivem à margem da vida. Com 186 euros e 68 cêntimos mantêm uma existência errática, desprendida, isolada e muito pouco humana. Fomos ver como viviam, o que pensavam, como olham para o mundo e qual é a sua rotina. A palavra rotina aplica-se na perfeição. Vivem uma forma de vida, sem vida, puramente mecânica e bioquímica. São seres quase invisíveis, com 186 euros e 68 cêntimos. Já não estão na rua, apesar de muitos dos quartos que alugam serem ainda piores que a própria rua, as roupas não estão rasgadas e têm acesso ao mínimo de higiene pessoal. Tornaram-se invisíveis ao olho apressado. Mas estão lá, são cada vez mais e nada parece resolver a sua sina.
Neste programa, que foi muito difícil de gravar, andamos por Coimbra, vimos a realidade e trazemos-lhe as palavras do Samuel. O resto é somente aquilo que gostaríamos que você fizesse: pensasse um bocadinho na vida destas pessoas que todas as outras abandonaram, apesar de várias instituições de apoio social, com a presença da Câmara Municipal de Coimbra, apoiadas por muitos voluntários fazerem um trabalho quase heróico.

E se 10 – Voar toscamente sobre os problemas

Voar toscamente sobre os problemas
Neste programa são citados dois exemplos que mostram a completa ausência de estratégia de Coimbra para o futuro. Nem é um problema de agora, da atual gestão da câmara, nem algo que queiramos relacionar com o partido A ou o partido B. É um problema de ausência de reflexão estratégica e de decisões que sejam entendidas como coletivas, de forma a que sejam realizadas seja qual for o ciclo político. Sem essa reflexão, capacidade de compromisso e visão a longo-prazo, o caminho de degradação e insignificância que Coimbra tem seguido manter-se-á.
Fazemos ainda uma simples comparação com Londres. Uma cidade em tudo diferente a Coimbra, até na atitude competitiva e na capacidade de perceber que o sucesso é o resultado do trabalho diário e não se pode desleixar na atividade de construir a melhor cidade do mundo para se viver, trabalhar, estudar e fazer turismo.
O convite é para que comparem com Coimbra: a cidade que já quis ser capital de tudo sem ser consequente com esses desejos, que se comporta como uma muito pouco humilde Aristocrata falida e que, por alguma razão misteriosa, desenvolveu a ideia de que os outros é que a têm de a procurar. Ficou, portanto, só – com a sua vaidade e falta de humildade – e não parece ter a noção do caminho de degradação e insignificância que está a seguir.
O “London Invest” ajudou, só em 2017, quase 300 empresas internacionais a instalar-se em Londres. Compare com Coimbra. Veja a diferença de atitude, de comportamento e de preparação para o investimento. Custa aprender?

 

 

E SE 9 – Uma vida que ardeu, uma esperança que é necessário reconstruir

Uma vida que ardeu, uma esperança que é necessário reconstruir!

Oliveira do Hospital ardeu depois de Pedrógão. Morreram muitas pessoas, várias famílias ficaram destruídas e isso nunca ficará bem e nunca se resolverá. São marcas que ficam para a vida toda, são memórias que voltam e atormentam.
O que ardeu foi praticamente tudo.
Floresta e espaço verde de lazer. Na verdade, o verde praticamente desapareceu.
Empresas e o emprego de muita gente. Depois das mortes, este é o drama mais significativo.
Na J. Guerra, Lda trabalhavam 50 trabalhadores. Ardeu a 100%. Demorará muito tempo a voltar a laborar. Mas demorará ainda mais tempo a recuperar o ânimo, a alegria de viver. Isso é o mais significativo no que vemos.
Na empresa Construções Gouveia & Filho, Lda trabalhavam 34 trabalhadores. Ardeu a 100% e pensa estar a laborar dentro de alguns meses.
Luís Lagos, empresário e ex-presidente de uma distrital partidária, percebeu que tinha de dar um passo em frente e ajudar na reconstrução do seu concelho. Viu a desgraça perto da sua família e empresas a desaparecerem. A sua não sofreu, mas a da sua mulher foi totalmente destruída.
Os custos associados a estes incêndios medem-se em vidas perdidas, famílias destruídas, floresta perdida, negócios arrasados e um efeito muito significativo na esperança num futuro melhor. De tudo, apesar de certas coisas não terem solução, o mais difícil de recuperar é o ânimo necessário recomeçar tudo de novo. Esse é o maior custo, porque apesar de tudo a vida continua, e aquele aspeto que merece uma atenção muito especial.
Os incêndios deste verão mostram um país desorganizado e impreparado para estes eventos naturais.
O “E se…” quis mostrar essa realidade, deixando claro que é nossa obrigação garantir que vamos construir um país que estará preparado e é solidário com quem é atingido pela calamidade. E essa é uma resolução que todos temos de tomar e realizar.

“E Se…”, um programa de Norberto Pires com realização de Rijo Madeira.